Home / News / CONDROMALÁCIA PATELAR
CONDROMALÁCIA PATELAR

CONDROMALÁCIA PATELAR

O que é, como é avaliada, possíveis causas, primeiros sinais, tratamentos e prevenção.

Muitas pessoas que já passaram por ortopedistas com dores no joelhos com certeza já ouviram falar em condromalácia patelar.

 

Mas afinal o que é Condromalácia patelar?

Condromalácia patelar é um desgaste (amolecimento anormal) na cartilagem do joelho, que pode evoluir para a quebra de sua integridade (rachaduras), numa região chamada condilo femoral, que acaba ocasionando dor e inflamação.

Qual a função da cartilagem?

A função do revestimento de cartilagem é permitir o deslizamento da patela (rótula) no fêmur durante o movimento de flexão e extensão do joelho. Ela funciona como uma polia melhorando a articulação e protegendo as estruturas internas.

Como possui conexões com praticamente todas as estruturas articulares, a cartilagem sofre ações de forças multidirecionais gerando sobrecargas na sua face interna. E se, por algum motivo, essas sobrecargas sofrem alterações ou desequilíbrios podem surgir as lesões.

Como é avaliada?

Como o tecido cartilaginoso não possui terminações nervosas, a dor retratada é atribuída normalmente ao fator causador da sobrecarga/lesão, sendo descrita como profunda e algumas vezes como ardência. Para avaliar a condromalácia o melhor exame é a Ressonância Magnética.

A Condromalácia é classificada de acordo com o grau de lesão da cartilagem em:

Grau I: Quando há apenas um amolecimento

Grau II: Há um “desfiamento” condral

Grau III: Há rachaduras na superfície

Grau IV: Há exposição do osso subcondral

Possíveis Causas da Condromalácia

  1. Traumas crônicos por fricção e impacto entre a patela e o sulco patelar do fêmur (ex: práticas esportivas como, volei, tênis, corrida, basquete, futebol, entre outros)
  2. Microtraumatismos de repetição
  3. Anatomia histológica ou fisiológica que podem desencadear o enfraquecimento e consequente amolecimento da cartilagem
  4. Alterações de alinhamento da patela (hipertrofias, hipotrofias, encurtamentos musculares, etc)
  5. Diminuição da flexibilidade (isquiotibiais e reto femoral)
  6. Alterações do ângulo Q do joelho.
  7. Sobrepeso ou obesidade
  8. Prática inadequada de exercícios físicos (sem orientação profissional)
  9. Uso prolongado de salto alto
  10. Artrose

 Primeiros Sinais

Aos primeiros sinais de possíveis problemas procure tratamento profissional para uma avaliação correta. 

  1. Estalos
  2. Inchaço por baixo da Patela
  3. Dor localizada entre a Patela e o Fêmur
  4. Dor constante no meio do Joelho
  5. Dor durante uma Corrida
  6. Dor ao descer ou subir escadas e ao ficar muito tempo sentado
  7. Aumento da Sensibilidade em dias frios e Sensações de Fraqueza/Falseios
  8. Sensação de travamento e bloqueio articular

Na maioria dos casos poderá haver melhora após uma boa reabilitação, que pode envolver, fortalecimento e reequilíbrio muscular do joelho e do quadril. Apenas uma pequena parcela dos casos não tem evolução favorável.

Tratamentos:

Não há protocolo rígido para tratamento. O tratamento deve ser indicado pelo profissional após a classificação do grau de lesão.

  1. Fisioterapia
  2. Fortalecimento
  3. Uso de órteses para joelhos - Um de nossos modelos de órtese, a Genutrain® P3, alivia a dor e a inflamação, além de estabilizar e proteger a patela durante os movimentos. Esta órtese conta com uma estabilização melhorada, mais adequada à lesões na cartilagem. Por possuir uma almofada de silicone profunda, ela posiciona a patela em seu lugar, diminuindo as tensões nos tendões patelar e femoral, diminuindo a fricção dos ossos do joelho e aliviando a dor.
Com o uso da órtese, quem tem condromalácia se sente mais confortável para praticar exercícios, fazer fisioterapia e voltar ao esporte. Como consequência, a musculatura é fortalecida, o que também ajuda na diminuição das dores.


 

Bauerfeind Brasil
Referência: 
Globo esporte